813bet -Mais de 400 camponeses e camponesas, além de representantes de comunidades quilombolas e povos indíg

Encontro de Semente813bet -s Crioulas- União entre Agricultores

Mais 813bet -de 400 camponeses e camponesas, além de representantes de comunidades quilombolas e povos indígenas das etnias Kaingang e Guarani, reuniram-se em Boqueirão do Leão (RS), no Vale do Rio Pardo, para trocarem sementes. Também compartilharam saberes e experiências, nesta que foi a 22ª edição do Encontro Diocesano das Sementes Crioulas, realizado no salão da paróquia São João Batista na última quarta-feira (14).

Continua após publicidade

O encontro reafirmou as sementes como patrimônio dos povos e a mais importante das tradições entre os pequenos agricultores do campo brasileiro. O tema proposto na atividade foi em sentido afirmativo: "É o encontro dos agricultores e agricultoras com suas sementes e origens".

:: Entenda o que é o Acordo Escazú que objetiva garantir direitos aos defensores do meio ambiente::

A atividade acontece desde 2001. Segundo o técnico agrícola Maurício Queiroz, vinculado à Ação Social Diocesana (ASDISC) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o encontro representa o momento mais importante do ano para quem se relaciona com os temas das sementes crioulas e da agroecologia.


Salão comunitário ficou lotado para Encontro Diocesano de Sementes Crioulas / Divulgação

Terra, Água, Ar e Fogo

Pela manhã, aconteceram oficinas agroecológicas, rodas de conversa e debates, com destaque para quatro estações temáticas que representaram os quatro elementos. "Foram quatro espaços de formação, um dedicado à Terra, que se destinou ao cuidado com as sementes crioulas; outro dedicado à Água, que se dedicou à questões sobre cisternas e recuperação de fontes; o espaço chamado Ar abordou cuidados gerais com o meio ambiente, mas principalmente sobre a produção de biofertilizantes; já no espaço Fogo/Sol foram trabalhados temas associados ao cooperativismo e a importância de trabalhar em grupo", explicou Queiroz.

À tarde, foi a vez da exposição e da comercialização de produtos coloniais, artesanato e publicações, bem como a troca de sementes. Foi promovida por grupos de guardiões de sementes, movimentos sociais ligados ao campo e outras organizações.

:: Povos originários do Ceará lutam por reconhecimento e concurso para professores indígenas::

"Nosso momento mais importante e místico também aconteceu na parte da tarde, quando formamos a mesa comum onde as sementes crioulas foram colocadas, assim como ervas medicinais, mudas de árvores e flores", relatou o técnico. Acrescentou que, depois de abençoadas pelo bispo Dom Aloísio Alberto Dilli e pelo frei César, os produtos foram compartilhados entre todos os presentes.

Quem canta, também semeia


Momentos de mística fizeram parte da programação, fomentando também o encontro e reencontro das pessoas / Divulgação

O encontro também teve mística e música. Nesta edição, a cantoria ficou a cargo de artistas como Antonio Gringo, Regina Wirtti e Antônio Marangon, assim como a jovem Bruna Richter, a Ave Cantadeira, que se intercalaram nos microfones mantendo o público animado e mobilizado durante todo o dia.

"São sempre momentos que nos fazem muito bem, somos muito bem recebidos nesses espaços, sentimos que nossa arte também é semente, que somos semeadoras e semeadores", afirmou Bruna. Ela destacou ainda que os encontros de sementes crioulas são também pontos de encontro e reencontro e cada artista que se apresenta faz a escolha de estar no meio dessas pessoas. "Nossa música carrega nossas histórias de vida, reflexões, análises e de forma muito clara traz um posicionamento de escolha de luta por essas sementes, pela vida e pela saúde", reparou.

Quem promoveu a reunião foi a Diocese de Santa Cruz do Sul através da ASDISC e CPT. Também ajudaram na organização o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), a Cooperlaf, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais local, a União Leoboqueirense de Clubes de Mães, a Emater, e as escolas Adolfo Mânica e Aprender. Teve ainda o apoio da prefeitura local, e da Articulação em Agroecologia do Vale do Rio Pardo (AAVRP) e da Articulação de Agroecologia do Vale do Taquari.


Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Ayrton Centeno


Relacionadas

  • Entenda o que é Acordo de Escazú que visa garantir direitos a defensores do meio ambiente

  • Com as primeiras chuvas, Montadas e Lagoa Seca já distribuem sementes crioulas

  • 20ª Festa da Colheita do Arroz Agroecológico do MST reúne cerca de 5 mil pessoas em Viamão

  • MPA e Cooperbio reafirmam a mística da semente crioula e a resistência camponesa em Seberi (RS)

Outras notícias

  • Carijo no RS resgata cultura indígena ao mostrar técnicas de produção artesanal de erva-mate

  • Patrimônio imaterial da Bahia, Bembé do Mercado celebra há 133 anos a abolição da escravatura

  • Saiba mais sobre Romaria de Canudos, evento marcado pela resistência popular na Bahia

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se dêem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap